Fica comprovada manipulações nas supostas mensagens divulgadas pela Intercept. Nesta manhã (29) ficou provada a manipulação de mensagens relacionadas a Vaza Jato por seu principal divulgador, Glenn Greenwald, fundador do site Intercept.

O Site Antagonista e o perfil @DomEsdras no Twitter relata toda manipulação.

Na tentativa de desmoralizar a Operação Lava Jato, o jornalista Glenn publicou em sua conta no Twitter supostas mensagens de Ângelo Goulart Villela. Logo após a publicação modificou o nome do procurador Ângelo, que já foi preso na operação lava jato em 2017 sob acusação de receber dinheiro de Joesley Batista para receber informações sigilosas.

O Intercept atribuiu à procuradora Monique Cheker uma conversa vazada com Angelo Goulart Villela. Assim como Angelo não é Angelo, porém, Monique também não é Monique. Leia a reportagem no site do Antagonista:  https://www.oantagonista.com/brasil/monique-nao-e-monique/

pjimage-1
O nome Angelo Goulart Villela foi alterado para somente Ângelo

Uma alteração deste porte deixa claro que a equipe do site alinhado à extrema esquerda manipula o material com o objetivo de atacar a Operação Lava Jato e o ex-juiz Moro.

Cláudio Dantas, um dos fundadores do site O Antagonista declarou hoje em sua conta no Twitter: “O print é eterno e prova de crime.”

“Se o Intercept pode mexer num nome, ele pode violar também qualquer outra parte dos arquivos, acrescentando ou eliminando frases”, frisa O Antagonista.

Confira o print da mensagem deletada pelo ativista Glenn Greenwald:

print

Anúncios