Brazilian real, Chilean peso and others are benefiting from higher commodity prices and global trade disruptions – O Real brasileiro, peso chileno e outros estão se beneficiando dos preços mais altos das commodities e das interrupções no comércio global.

Leia reportagem em inglês do Jornal The Wall Street:

https://www.wsj.com/articles/emerging-markets-currencies-stay-strong-despite-dollars-rise-11653362343?mod=Searchresults_pos4&page=1

Um dólar americano forte não está levando as moedas dos mercados emergentes a uma queda. Isso é incomum.

Os retornos das moedas dos mercados emergentes são maiores do que os das economias desenvolvidas desde janeiro, segundo dados compilados pelo Barclays. O WSJ Dollar Index, que mede o dólar americano em relação a uma cesta de moedas, subiu mais de 5,5% no acumulado do ano, atingindo níveis nunca vistos em décadas, à medida que a inflação e as preocupações com um crescimento mais lento dominam o mundo.

Mas moedas como o real brasileiro, o peso chileno e o rand sul-africano registraram ganhos mesmo com o fortalecimento do dólar. Isso ocorre porque os investidores estão pegando moedas que ganham com os preços mais altos das commodities e deslocamentos comerciais.

O real – que se valorizou mais de 13% em relação ao dólar no ano – tem sido o favorito entre os gestores de ativos por causa do status do Brasil como principal exportador de soja e café.