Em entrevista à Folha, a deputada federal Alê Silva, do PSL de Minas, afirmou ter recebido a informação de que o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, a ameaçou de morte em uma reunião com correligionários, no fim de março.

“Não acredito em envolvimento do Bolsonaro em tudo isso. Acredito que ele foi tão vítima como eu. Foi e está sendo tão vítima como eu por ter acreditado na pessoa errada”, diz Alê Silva.

“Prometi na vida pública combater a corrupção e jamais iria me calar diante do surgimento de um foco de corrupção tão perto de mim. Senti-me na obrigação de levar os fatos ao conhecimento do Ministério Público. No início me mantive em silêncio por receio da reação dos envolvidos. Agora vieram sérias ameaças, que se concretizaram através de interlocutores do ministro.”

Na última quarta-feira, a deputada solicitou proteção policial.

Alê foi a primeira congressista a relatar às autoridades a existência do esquema de laranjas do PSL de Minas.

Leia esta reportagem também em:

O Antagonista , Folha de São Paulo, Estadão e Janaína Paschoal.

Veja quem recebeu as verbas do PSL:

Anúncios